domingo, abril 15, 2007

Uma noite em Taizé



Em todas as noites que passei em Taizé, após a oração, ficava uns momentos a observar as pessoas que se encontravam dentro daquele local.

Ao olhar cada um dos rostos que me envolvia, ainda que tão únicos e tão diferentes, pude sentir-me em cada um deles. Por instantes vivi uma profunda sensação de unidade.
Peguei no caderno que costumava transportar comigo e escrevi algumas poucas palavras:

Não sou um ser que caminha, sou a própria humanidade a cada passo.

Depois, com um sorriso, fui dormir em paz...

3 Comments:

At 15 abril, 2007, Blogger chumani said...

gosto muito que tenhas usado uma imagem de um monge do budismo zen nesta mensagem; no budismo zen faz-se um dos gestos mais bonitos que conheço: esse de virar as mãos para cima ao prosternarmo-nos "para segurar os pés do Buda".

 
At 17 abril, 2007, Anonymous Sandra said...

:) talvez seja esse o "segredo" que faz com que nos sintamos tão bem, tão serenos na tua presença...essa comunhão que identificas e expressas tão singularmente e que é, em cada um de nós, afinal...

Pela una identidade,
pela presença,
pela partilha,
muito obrigada!

Sempre a apre(en)der! :)

Beijinhos

 
At 27 abril, 2007, Anonymous papoila said...

a imagem é marcante e a mensagem tb...

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home