sábado, setembro 08, 2007

breathe, my dear



...

Thich Nhat Hanh
num retiro em Colorado

4 Comments:

At 14 setembro, 2007, Blogger a.mar said...

Flor Simples DaTerra,
quando me sinto a respirar não estou demasiado em mim e me distraio mais dos outros?
Este respirar inclui "respirar os outros"?
De facto tinha dantes a "mania de respirar através dos outros", agora sinto-me mais a mim, sei um bocadinho melhor o que sou, mas às vezes sinto-me mais longe dos outros e com uma atitude mais egoísta, se assim se pode dizer. Dantes tinha sempre o hábito de estar disponível, agora nem sempre me disponibilizo.
Sabe-me bem e sinto-me menos bem por vezes, também.

 
At 15 setembro, 2007, Blogger Daterra said...

querida a.mar,

se te posso ajudar na tua dúvida será apenas dentro da minha experiência!

O que eu sinto é que observar a respiração nos torna mais centrados.Em nós, é verdade, mas também nos outros.

Tornamo-nos mais atentos aos outros porque estamos mais atentos a nós.Estamos na verdade mais diposníveis...

Creio que por vezes pretendemos ajudar,"respirar pelos outros", mas talvez não o consigamos de facto!Talvez ajudemos se respirarmos melhor.

Nunca respiramos bem apenas apenas por nós!Respiramos bem por todos...

Bom, parece-me esta uma ideia coerente e vai ao encontro de um pensamento que aprecio: Ser é ser com...

Abraço amigo e obrigado pela atenção

 
At 18 setembro, 2007, Blogger a.mar said...

Eu respiro
Tu respiras
Ela/Ele respira
Nós respiramos
Vós respirais
Elas/Eles respiram

Todos respiram.
É a forma de se ver manisfestada a Vida. A pulsação é outra.
O Pulmão e o Coração.

De facto, quando respiro atentamente, fico mais descontraída e mais flexível ao que está a acontecer à volta de mim.
Atenção = atensão = sem tensão.
(como ateu, sem o teu sagrado).
E mais tenta à troca de elementos essenciais à Vida.
Estou a respirar.
Um abraço!

 
At 18 setembro, 2007, Blogger Daterra said...

muito bem... :)

Abraço amigo

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home