quinta-feira, abril 23, 2009

A primeira palavra

É raro, desde há uns tempos para cá, escrever poesia. Houve alturas em que escrevi com regularidade, pautado muitas vezes pela luminosidade ténue da poesia de Eugénio de Andrade.

O processo de criação poética mostrava-se porém doloroso. Procurar as palavras, num ofício de paciência, reinventar emoções, lugares... uma quase arqueologia das palavras e dos sentires.

Escrever desta forma assumia em mim um traço de sofrimento que creio não ser necessário. O haiku, na sua estética simples e de uma brevidade não presunçosa, emergiu então como uma outra perspectiva da escrita, do belo...

"Deixei" a poesia, pelo menos nas características que nos são mais familiares, e investi na microscópica visão do haiku.

Mas ainda me invade por vezes a vontade de escrever poesia. Às vezes resisto, ao sentir qualquer emaranhado de palavras, fecho o caderno e guardo-o de novo na estante. Não quero escrever.

Outras vezes há em que não posso fazer nada e uns versos surgem inevitavelmente nas folhas brancas do meu caderno. O poema que agora partilho surgiu assim... entre a resistência em escrever e uma vontade de fazer poesia. A primeira palavra é então o desafio que recoloco a mim...

.

lanço a primeira palavra -

um rumor de searas
a tremer nos dedos.

a primeira palavra -

o peso demasiado leve
demasiado pesado
do húmus da terra.


.

3 Comments:

At 23 abril, 2009, Blogger ma grande folle de soeur said...

a estética do haiku está bem patente... o despojamento... o caminhar para o essencial... acho eu ... tu me dirás :)
esse percurso tb me é próprio ;)

 
At 04 maio, 2009, Anonymous marcelo said...

Da maneira como me lembro de você, Lécio, basta você ser, e ser você, para escrever poesia. Basta você estar, e estar você, para escrever poesia. Basta você sorrir, desenhar, dançar, amar. Basta você viver.

Não há o que escrever ainda, você está escrevendo poesia sempre, vivendo a sua vida da maneira como já a vive.

Mas é bom rever-te aqui pelo blog, escrevendo, compartilhando conosco!

Um abraço amigo.
Paz, Amor e Alegria.

 
At 03 agosto, 2012, Blogger rosana said...

A felicidade é ardilosa,
Só chega com a idade:
Meus cabelos estão brancos!

Gasshô
JõDõ

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home